Gestão Democrática: Eleição de diretores em pauta

Processo eleitoral em ambas as redes encerra no mês de novembro

Na noite desta quinta-feira (18) professores das redes municipal e estadual estiveram reunidos para discutir gestão democrática, um tema caro para todos que atuam na educação brasileira. Neste ano que, além de escolher governos estaduais e federal, as comunidades precisam escolher as direções das escolas, debater a temática é uma oportunidade de discutir a participação de todos no processo educacional de uma comunidade. A atividade foi organizada pelo Sindicato dos Professores Municipais de Passo Fundo, CMP Sindicato, em parceria com o 7º Núcleo do CPERS Sindicato.

Em 1996 a Lei de Diretrizes e Bases (LDB), que regulariza e define a organização da educação do país baseada nos princípios da Constituição, estabeleceu em seu artigo 3º, VIII, que o ensino público deveria obedecer ao princípio de gestão democrática, sendo que os sistemas de ensino tem a tarefa de definir as normas desta gestão conforme os princípios de participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola e participação das comunidades escolares e local em conselhos escolares equivalentes.

De acordo com o dirigente do CMP Sindicato, Eduardo Albuquerque, a atividade buscou ampliar o debate neste importante momento da vida escolar que é a eleição para diretor. “Esse é um momento de reflexão sobre a democracia e om ela deve ser implementada no sentido de criar uma possibilidade de todos os pais, professores, alunos, toda a comunidade possa participar efetivamente do processo educacional,” pontua.

Dirigente do CPERS Sindicato, Orlando Marcelino destaca que o país está passando por um período em que qualquer processo de democracia está em risco. Destaca que a escola não é uma ilha e que para ter democracia dentro deste espaço, tem que ter democracia no país, no município. “Discutir com a categoria que gestão democrática não é simplesmente eleger, é mais profundo, envolve entender e atender os interesses da comunidade, envolve ter autonomia frente ao prefeito, ao governador. Essa é a discussão que temos que fazer com a categoria: a construção de um processo permanente de organização e mobilização para se garantir um escola pública de qualidade,” destaca.

O processo eleitoral em ambas as redes encerra no mês de novembro, com a eleição dos novos gestores que ficarão no cargo pelo próximo triênio (2019-2021).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + dez =

Deixe sua mensagem que entraremos em contato com você o mais breve possível.

WHATSAPP